Sobre o meu doce vício

Boa Noite, meu nome é Nicole Delucca Linhares, sou brasileira, natural de Belo Horizonte, tenho 30 anos e um problema: sou compradora compulsiva de livros. Tenho este vício desde que ganhei o meu primeiro salário e o torrei inteirinho comprando livros, dentre os quais uma edição linda maravilhosa das Mil e Uma Noites, em uma livraria da Savassi. Desde então, sempre que entro em uma livraria, vivo momentos de um misto de extremo êxtase (cheiro de livro novo me dá barato, isso tem que entrar nos sintomas, não é mesmo?) com extrema culpa. É que não me basta abrir os livros, cheirá-los e devolvê-los para o lugar, preciso, com todas as minhas forças, comprar.
É um vício. Mesmo sabendo que não tenho disponibilidade para ler aquele livro naquele momento, acabo comprando, afinal de contas, um livro é sempre uma boa companhia nos momentos de tristeza e solidão (nos de alegria também!). Na minha mesa de cabeceira da cama, hoje, eu tenho 4 livros. Estou lendo todos eles, juro! O problema é que ainda tenho uma penca de outros livros para ler no escritório, que diga-se de passagem, já se encontra superlotado de livros. É que quando Cesar e eu projetamos os armários do escritório, não pensamos que chegaríamos a ter mais de 500 livros por lá. É... Melhor nem fazer as contas de quanto gastei em livros nos últimos sete anos. Seria me torturar por um leite que já se derramou há muito tempo. Sem contar que de todos os livros que estão lá, muitos foram dados: quem me conhece se deleita com a minha previsibilidade para agradar de um presente!
Outro dia eu estava morrendo de dores nas costas, ai peguei a minha bolsa e pensei: pesadinha, não? Ai, eu fui abri-la para ver o que tinha lá dentro que pudesse ser eliminado. Bom, como toda bolsa de mulher a minha tem várias coisas: batom, pente, celular, agenda, carteira... Mas algo ali dentro torna aquela bolsa absolutamente minha, e o que é? Livro! Na verdade, livro não, livros! Sempre tenho uns dois livros por ali, porque caso eu pare em alguma fila de espera, ou eu esteja em algum consultório médico, posso pegar o meu livro e devorá-lo. No geral são dois porque gosto de ter opção. Pois é, mas aquele dia a bolsa estava pesada, então a contragosto tive que eliminar um de lá, porque claro, óbvio, eram os livros que estavam me dando dores nas costas!
Pois bem, hoje foi um dia atípico na minha vida. Fui deixar Cesar na Savassi para ele dar aulas. Até ai nada de atípico: Já eram 18h, e ai vocês imaginem: trânsito de 18h de BH, com chuva e greve de ônibus. A mistura perfeita para se perder o humor, né? Pois bem: entrei no Pátio Savassi e resolvi esperar ali uma hora pra voltar pra casa em paz. Mas o que fazer nesta uma hora? Bom, eu estava com fome, e acabei não segurando a tentação de detonar um péssimo exemplar de junk food. Digo péssimo porque depois, pensando bem, acho que eu deveria ter gasto melhor as minhas calorias do mal naquela praça de alimentação: o sanduiche do Bobs que eu comi estava HORRÍVEL!
Depois do lanche resolvi dar minhas voltas e elevar meus níveis de endorfina na Leitura. E aqui dei início à parte atípica do dia. Na verdade fui até lá com a desculpa de querer olhar o preço de um livro específico que estou querendo comprar e não encontro em lugar nenhum. Entrei na livraria querendo dar passos decididos até o vendedor para resolver o meu problema rápido e sair de lá rápido (eu sabia que poderia não prestar!). Mas o que acontece é que esse povo que trabalha com marketing e vendas é phoda: logo que a gente entra na loja lá estão eles, sorrindo para a gente, gritando silenciosamente: “compre-me!”. Sim, os livros em promoção. Ai! Tem muita porcaria ali! Não tenho coragem de comprar autoajuda, por exemplo. Mas no meio das porcarias, para olhos treinados, acaba sendo fácil encontrar umas duas ou três opções maravilhosas de livros a R$9,90. Uma vez comprei um livro de causos mineiros do Olavo Romano numa promoção dessas: um achado!
Peguei um dos livros, li a sinopse na contracapa. Ai, curiosa, tentando me convencer de que aquilo seria uma compra maravilhosa, li a orelha do livro... Mas graças a deus, uma coisa dentro de mim me disse: “Nicole, você não precisa dele!”. Sai correndo daquela banca de promoções!
Achei um vendedor e rapidinho fui abordá-lo para perguntar do livro que eu queria de fato comprar. “Business Model Generation” era o nome do livro. O rapaz não entendia muito de inglês e pediu pra eu digitar no computador dele o nome do livro. Eu estava com a minha bolsa numa mão e o notebook na outra. Lá fui eu digitar o negócio com a mão esquerda! Não prestou, né? Mas no fim acabamos achando, ou melhor, não achando, o livro. É que ele estava zerado no estoque. Após agradecer o rapazinho, respirei fundo e numa fração de segundos eu poderia ou ir embora dali rapidinho sem olhar para os lados, ou poderia me embrenhar para dentro da livraria e me perder naquele mar de livros.
A tentação falou mais alto, claro! Entrei ali pra dentro e comecei a olhar os títulos dos livros da área de negócios (quer desculpa melhor pra comprar livros do que a sua formação acadêmica?). Olhei, olhei... Tinham uns livros bem legais na área de gestão, mas os que mais me chamam atenção são os de marketing. Particularmente quando vejo palavras como Google saltando aos olhos, eu acabo me interessando. Uma coisa boa dessa Leitura do Pátio pra quem é compulsivo na hora de comprar livros e tem sentimentos de culpa por isso é que o sistema de cadastro de preços deles é uma merda! Gente compulsiva pra comprar livro pega um monte de exemplares nas prateleiras e começa a se valer do sistema de autoatendimento para ver os preços e ver o que é e o que não é viável para se comprar. Só que o terminal deles é uma porcaria e sempre que a gente passa os livros por ali aparece que o produto não está cadastrado, o que te obriga a procurar um vendedor sempre que se quer ver o preço de alguma coisa. Isso é muito chato, tanto pra quem compra quanto pra quem vende.
O livro de Marketing com o Google no título custava R$49,90. A informação me foi dada por uma vendedora impaciente que após dizer o preço logo disparou: “vai levar?”. Eu prontamente respondi que não, que iria pensar. Voltei para as prateleiras e achei mais um monte de outros livros que me interessariam potencialmente. Foi ai que um pensamento tomou conta da minha cabeça: “Nicole, vá embora dai agora! O dia que você terminar de ler todos os livros que já comprou e ainda não leu, você volta aqui e compra mais!”. E foi assim que respirei fundo e segui rumo à saída da loja.
Quase chegando ao final do meu calvário, que bem poderia ter aquela música do Skank como trilha sonora (te ver e não te querer é improvável é impossível...), ainda me deparo com um último estágio de provação: outra banca de promoções. Ali, vi um livro lindo sobre a Harley Davidson por R$19,90. Lembrei-me na hora de um amigo que adora motos. Ai, eu vi um livro lindo sobre arte, custava R$30,00. E eles ainda ostentam o tamanho da economia que faríamos se comprássemos o livro: de R$ 79,90 por R$30,00!! Quando desviei os olhos deste livro, logo cai num outro que trazia uma capa externa, super bonitinha: os erros mais comuns da língua portuguesa. Eu trabalho escrevendo e por vezes ministrando cursos de curta duração em língua portuguesa. Esse seria um livro bem interessante, principalmente porque ele ostentava uma etiqueta que dizia: De R$49,90 por R$12,90!!! Ai! Olhei pra ele, abri-o, folheei-o... Então respirei! Achei preciso respirar outra vez, e então fechei o bendito, repeti mentalmente que não precisava dele, e fui-me embora!
Gente, final da história: sai da Leitura sem comprar livro nenhum! A minha única grande amargura do dia é que gastei R$16,00 numa porcaria de hambúrguer no Bobs. Agora, aqui, ruminando bem a coisa, penso que eu teria elevado mais os meus níveis de endorfina se eu tivesse comprado um livro de R$20,00 na Leitura e um pão de queijo de R$1,00 em qualquer lugar. Mas isso são coisas da vida. Da próxima vez entro na livraria antes de ir à praça de alimentação.
Na verdade não... não entro na livraria. Penso que eu tenho um dever moral para com a pilha de livros que se encontra no meu escritório. De hoje em diante eu juro solenemente que tentarei não comprar nenhum outro livro até que eu termine de ler tudo o que está no meu escritório. Vai ser uma tarefa e tanto! Para vocês não acharem que estou mentindo, postarei aqui sempre que terminar um livro, uma pequena resenha da leitura. Compromisso com meus livros, com meu bolso e principalmente, com a minha cultura e meu lazer!
Até a próxima!
P.S. Estou lendo neste momento:
1. A Descoberta do Mundo, de Clarice Lispector. Presente de dia dos namorados de Cesar para mim em 2010.
2. A Comunicação Como Estratégia de Recursos Humanos, de Fábio França e Gutemberg Leite, minha última compra de impulso na Leitura do Pátio Savassi, há duas semanas.
3. Empreendedorismo e Estratégia da Harvard Business Review
4. Gestão Estratégica de Vendas, também da Harvard Business Review... ambos comprados no ano passado num arroubo de empolgação diante de uma promoção irrecusável do Submarino.

Comentários

Postagens mais visitadas